Glossário da logística: entenda os principais termos do setor e seus significados

Índice

A logística é uma área de atuação cheia de termos (algumas vezes em inglês) e siglas.

Ela possui uma linguagem própria que para quem não está inteirado sobre o assunto ou trabalha ativamente nesse meio, acaba despertando algumas dúvidas. É importante conhecer os significados para compreender melhor a logística.

Pensando em uma forma de esclarecer e saciar sua curiosidade sobre essas palavras, vamos mostrar que o conceito de cada uma é mais simples do que você imagina.

Acompanhe logo abaixo o glossário da logística que será atualizado quinzenalmente aqui em nosso Blog!

Observação: não encontrou algum termo? Não se preocupe, esse material será atualizado semanalmente. 

Quer nos enviar algum termo para ser inserido? Mande sua sugestão para: mktrackage@gmail.com


A

Abastecimento

É um canal de distribuição sem intermediários entre o produtor e o consumidor final. As responsabilidades que geralmente são passadas ao consumidor, aqui ficam por parte do produtor.

ABC

Sigla utilizada para referenciar o Custeio Baseado em Atividades. É um método de rastreio utilizado para saber de onde e como as empresas obtêm seus lucros e como suas atividades estão relacionadas à receita.

Aberto para compras (Open to Buy)

Muito indicado para o comércio de varejo, consiste em um planejamento de compras que tem como objetivo entregar a quantidade ideal para seu estoque atender as demandas.

E quando falamos “ideal” é realmente o mais próximo disso, já que comércios pequenos não podem se dar ao luxo de cometer erros com estoque, nem para mais, nem para menos.

O OTB é basicamente a diferença entre quanto de estoque é realmente necessário e o quanto está realmente disponível, incluindo o estoque físico, o que já está em trânsito e o de pedidos pendentes.

Aberto para recebimento

Ainda relacionado ao estoque, é a autorização emitida para receber produtos como pedido de compra em aberto. Reflete no estoque, mas com um impacto a curto prazo, e frequentemente é monitorado.

Acondicionamento

É um processo em que o objetivo é preparar as mercadorias para a estocagem, armazenamento e transporte. 

A embalagem, a forma de envio e as características do produto são analisadas com cuidado para acomodá-lo de uma forma que a mercadoria chegue até o cliente sem qualquer problema.

Acordo co-fabricante (Co-Maker Agreement)

É um acordo feito entre o fornecedor e o cliente ou co-fabricante. Neste acordo, são definidos a longo prazo: tempo de entrega, confiabilidade de entrega, desenvolvimento de novos produtos, procedimentos para reduzir preços, entre outros.

Acuracidade do inventário

É a quantidade precisa do quanto você tem no seu estoque. Só é possível obter a acuracidade do inventário se a quantidade física dele é a mesma registrada no sistema.

Pode ser facilitada com o uso de um WMS.

Aduana

Também conhecida como Alfândega, é o órgão governamental que fiscaliza e controla a entrada e saída de mercadorias em nosso país.
É ela quem aplica as temidas taxas sobre produtos importados quando compramos algo lá de fora. Seus locais de atuação são aeroportos e zonas de fronteira do país com outras nações.

Ad Valorem

Também conhecido como taxa ou imposto de frete, é um tributo cobrado dentro da tabela de fretes que representa o custo de seguro da carga. 

Essa taxa pode variar bastante conforme algumas regras pré-estabelecidas:

  • Distância percorrida
  • Peso do produto
  • Características da rodovia
  • Necessidade de manuseio

A Associação Nacional de Transporte de Carga (NTC) criou uma tabela com uma sugestão de alíquotas baseadas na distância percorrida (embora seja de 2014, essa tabela ainda é utilizada):

DistânciaAlíquota
1 a 250 km0,30 %
251 a 500 km  0,40 %
501 a 1.000 km  0,60 %
1.001 a 1.500 km 0,70 %
1.501 a 2.000 km0,80 %
2.601 a 3.000 km1,00 %
3.001 a 3.400 km 1,10 %
acima de 3.400 km  1,20 %


Coleta e entrega
0,15 %

Agente de carga

Também conhecido como Transitário, é a pessoa ou entidade que presta serviços no transporte internacional de mercadorias. Agem como mediadores nas operações de transporte internacional de todos os modos de transporte.  

Área de quebra

Dentro do armazém existe a chamada área de quebra, onde os produtos, materiais e embalagens recebidos são desembalados, separados, classificados e até mesmo reembalados dependendo do interesse de armazenamento da empresa, ou para se adequar melhor ao sistema. Geralmente essa área fica próxima à entrada.

Área de expedição

Dentro do armazém, temos também a área de expedição, esse espaço fica bem próximo às rampas e plataformas de carregamento.

Nele, os materiais serão pré-separados e passarão por uma conferência, com o objetivo de tornar a operação de carregamento mais rápida. 

Armazém

É um espaço físico, geralmente dentro de um galpão, onde são armazenados materiais para confecção do produto, produto inacabado ou a versão já pronta do produto.

Nesse espaço ocorre recebimento de mercadorias, organização e também a expedição para a etapa de distribuição correspondente.

Armazém alfandegado

Também conhecido como Terminal Alfandegado ou Terminal Aduaneiro, é o espaço físico onde as mercadorias importadas ou exportadas que carecem de um tributo aduaneiro ficam armazenadas até que o processo de liberação feito pela Receita Federal termine.

Geralmente, quando as taxas não são quitadas em um determinado período, as mercadorias são devolvidas ao país de origem.

Assemble-to-order

Modelo de fabricação onde os produtos são produzidos sob demanda e pedidos dos clientes. 

Assemble-to-stock

Diferente do modelo Assemble-to-order, aqui os produtos são fabricados para estocagem, sem a necessidade de demanda. Eles são produzidos tendo como base as previsões de vendas.

Ativo

Todos os bens e direitos de propriedade de uma empresa, pessoa individual ou pessoa coletiva, que podem ser calculados e representam benefícios presentes ou futuros para a empresa.

Auditoria

Procedimento de análise e exame, para ver se a empresa está com suas atividades de acordo com as metas estabelecidas e com a legislação referente.


B

B2B

Sigla utilizada para Business-to-business (Empresa-para-empresa). É a denominação do comércio entre empresas (seja de produtos ou serviços).

B2C

Sigla utilizada para Business-to-consumer (Empresa-para-cliente). Diferente da B2B, é utilizada para classificar o comércio da empresa diretamente com o cliente (pessoa física). A principal diferença entre B2B e B2C está em quem adquire o produto.

Backlog

Tendo surgido inicialmente na área de tecnologia, o termo backlog poderia ser traduzido simplesmente como “acúmulo de tarefas” ou um “histórico de tarefas pendentes”.

Basicamente, é uma lista organizada de coisas que ainda precisam ser realizadas.

Dentro da logística, esse conceito é parecido, mas está mais relacionado aos pedidos dos clientes. 
É a carteira de demandas e pedidos dos clientes que ainda não foram atendidas e estão acumuladas nesse histórico (log).

Backoffice

Qualquer departamento que não tenha contato direto com o consumidor final. Geralmente se trata dos setores financeiros e administrativos de uma empresa.

Backorder

O backorder é uma estratégia de venda usada quando não se tem estoque do produto.

À primeira vista pode parecer pouco funcional, mas a forma como ocorre, se bem administrada, acaba sendo vantajosa.

Nesse modelo de venda, a chave para dar certo está na gestão dos pedidos atrasados. No Backorder, o cliente faz a compra, mas só receberá futuramente quando o produto chegar em estoque, logicamente se ele concordar com isso.

Backstage

Local da fábrica ou armazém, onde o estoque é mantido.

Benchmarking

É um processo de estudo de concorrência, onde é analisado o mercado de atividades da empresa, os melhores na área e disso, é feito um plano de melhorias nas operações da empresa. 

Esses planos geralmente tem como objetivo aumentar produtividade, diminuir custos e aumentar a receita.

BI

Sigla usada para Business Intelligence ou também conhecido como inteligência de negócios, ou inteligência empresarial. É um processo de coleta, pesquisa, análise, compartilhamento e monitoramento de informações e dados coletados.

Isso dá suporte para diversas tomadas de decisão estratégicas dentro da empresa. 

Bi-trem

É a junção de dois modelos de semi-reboque (a parte da carga que vemos nas carretas, chamada por muitas pessoas de “baú”), unidos pelo que chamamos de “quinta roda” entre eles.

A quinta roda é uma peça fundamental que ajuda a unir os dois semi-reboques e fica localizada na parte de trás do caminhão/carreta.

O termo mais correto para classificar um bitrem é carreta, pois é um veículo de grande porte articulado, com mais eixos e alta capacidade de carga.

Blocagem ou Block Stacking

No sistema de armazenamento Blocado, ou Block-Stacking, as cargas dos paletes são empilhadas uma em cima da outra sem a utilização de estantes para isso. Uma das grandes razões para fazer uso desse método é a economia de espaço e o baixo custo.

Ainda assim, é necessário avaliar que tipo de mercadoria usará esse sistema de armazenagem, pois é preciso ter certeza de que o produto é forte suficiente para aguentar (aqueles que estão na parte mais baixa da pilha) o peso dos demais sem romper ou causar acidentes.

Brainstorming

Traduzindo de forma – muito – literal, seria algo como uma tempestade de ideias. Não está muito longe disso, já que consiste em uma reunião com pessoas de uma determinada área que, juntas, podem contribuir sem censura ou limitações para criar algo. 

Geralmente uma pessoa é responsável por incentivar e anotar tudo que é posto em pauta.


C

Cabotagem

É o processo de navegação entre portos marítimos ou fluviais de um mesmo país, diferente da navegação de longo curso, onde são comuns atividades entre nações. Na cabotagem, não se perde a vista da costa.

Cábrea

Existem dois tipos de Cábreas, uma que fica em embarcações, denominada de Cábrea Flutuante, e outra que fica em terra em um ponto fixo. 

As duas servem para o mesmo objetivo e têm estruturas semelhantes ao guindaste, sendo usadas para erguer cargas pesadíssimas em portos.

Cadeia de Suprimentos

A Cadeia de Suprimentos ou Supply Chain , consiste em todas as partes envolvidas – direta ou indiretamente – na confecção de um produto, até sua chegada nas mãos do cliente.

Tudo que está relacionado ao produto, desde sua confecção – tendo origem ainda no recolhimento da matéria-prima – até chegar nas mãos do cliente como um produto, de fato, faz parte da cadeia de suprimentos. Aqui no Blog você pode conferir mais sobre isso bem aqui.

Calado

É a medida de profundidade em que um navio está submerso na água. Tecnicamente, é a distância da lâmina d’água até a quilha do navio.

Calendário de Manufatura

Usado na administração do estoque, esse calendário define que o planejamento para as ordens de produção sejam feitos somente nos dias de trabalho, ou seja, apenas em dias úteis.

Caminho crítico

Caminho crítico ou Método do Caminho Crítico é a mais longa sequência de atividades, partindo do início ao final do projeto e precisam começar e terminar exatamente dentro do prazo estipulado no próprio cronograma do projeto.

Caminhão na prateleira

Lembra das enormes filas de espera que reúnem vários veículos do lado de fora dos pátios?

Pois é, isso até tem um nome apelidado pelos profissionais.

Quando um caminhão que deveria estar em atividade, fica ocioso, é comum escutarmos que o caminhão “está na prateleira”.

Uma clara referência à inutilidade do veículo quando nesse estado.

Canais de distribuição

Os canais de distribuição são os diversos caminhos que uma mercadoria pode percorrer desde a saída do fabricante, até chegar nas mãos do consumidor final.

Eles se dividem em três tipos:

1 – Canal de distribuição direto

Aqui o fabricante é o único responsável pela distribuição do seu produto até a entrega nas mãos do cliente, abrindo mão de qualquer intermediário. Embora possua um número de clientes (e consequentemente de vendas) menor, todo o lucro é da empresa fabricante, possibilitando ter preços mais agressivos.

2 – Vertical ou Indireto

Nesse canal de distribuição, existem intermediários na relação entre a distribuição e a entrega ao cliente. Esse intermediário pode ser uma distribuidora, um varejo, um atacadista, entre outros.

Como a distribuição é por conta desse intermediário, há sempre a possibilidade de ter que pagar uma comissão a ele, elevando o custo. Porém, como o alcance dos clientes é maior, a margem de lucro também pode ser mais expansiva.

3 – Múltiplo ou Híbrido

Como o nome sugere, é uma mescla entre os dois anteriores.
Aqui, o fabricante tem um contato direto com os clientes, enquanto o intermediário atua mais na parte de distribuição, disponibilizando as mercadorias.

Carreteiro

Conhecido como carreteiro, esse é o motorista que conduz seu próprio veículo, fazendo transporte de cargas variadas para outras empresas, sem responder à transportadora.

Cegonheira

Caminhões especializados no transporte de automóveis. São os principais veículos utilizados para o transporte de automóveis 0km em direção às concessionárias ou aos portos de exportação.

Centro de distribuição (CD)

Abreviado como CD, é o local utilizado para receber matérias primas, componentes ou produtos já finalizados. Também é daqui que os produtos saem em direção aos pontos de vendas (PDV) ou clientes.

CEP

É a sigla para Controle Estatístico de Processo.

Esse estudo, que hoje é usado como ferramenta de controle de qualidade, foi criado por Walter Shewhart no início da do século XX.

Antes dele, a qualidade da mercadoria só era analisada no momento da sua saída, até que perceberam que era necessário ter uma visibilidade de todo o processo para achar as possíveis falhas e causas da perda de qualidade.

No CEP, há duas variações que são usadas para fazer a análise: as especiais e as comuns.

As especiais são resultados de falhas, como por exemplo, não ter estoque suficiente para a demanda.

As comuns estão fora do alcance dos gestores para resolvê-las, não podem ser previstas ou eliminadas. Exemplos: desastres naturais como enchentes ou eventos que estão fora do seu alcance, como greves de caminhoneiros.

CFOP

É a sigla para Código Fiscal de Operações e Prestações

Um código numérico que geralmente está nas notas fiscais e que identifica a origem e o destino daquela operação. É com esse código que é identificado se a operação deverá pagar impostos ou não.

As regras sobre o CFOP podem ser encontradas pelo link do Ministério da Economia.

O CFOP também identifica a natureza daquela operação, e por isso, o campo da nota fiscal que tem exatamente esse nome (natureza da operação), deve estar coerente com a informação exibida no campo do CFOP.

Clamp

Equipamento acoplado às empilhadeiras com o objetivo de tornar o manuseio de determinados objetos mais fácil.

O Clamp de bobinas, por exemplo, age como uma garra que permite ao operador segurar as bobinas com segurança e transportá-las até os paletes.

Conhecimento de embarque (Bill of Lading)

Dentro do comércio aquaviário, o conhecimento de embarque é o documento mais importante no transporte de cargas do exterior.

Firmado entre o embarcador e o transportador, mediante um contrato feito anteriormente entre todas as partes envolvidas. 

Itens que devem constar o BL:

  • denominação da empresa emissora;
  • número de ordem do documento;
  • data da emissão;
  • nomes e endereços completos do embarcador e do consignatário;
  • lugar de partida e destino;
  • Espécie, quantidade e volumes das mercadorias, de forma específica e clara, assim como sinais externos dos mesmos, caso tenham (marcas e números);
  • importância do frete, declarando o que é pago (prepaid) e que ainda será (collect);
  • assinatura do emitente

Custo Logístico

Todo tipo de gasto relacionado à logística de uma empresa é chamado de custo logístico. Embora a logística muito tenha a ver com o transporte da mercadoria até chegar nas mãos do cliente, os custos logísticos envolvem muito mais que isso:

  • Gastos com embalagem;
  • Gastos com armazenagem;
  • Gastos com mão de obra;
  • Tarifas e impostos;
  • Custos com tecnologias que melhorem a produção.

D

DANFE

É uma representação simplificada da nota fiscal eletrônica, impressa em papel comum e de via única, usada para fins de fiscalização de transporte de mercadorias. Sua versão eletrônica é o próprio documento, conhecido como NF-e, em formato XML.

Despacho

O despacho de uma mercadoria é a etapa que liga diretamente a saída do produto do estoque do Centro de Distribuição com o início da operação de carga.

Nele, o despachante confere documentação e todas as informações apresentadas previamente, com as que ele tem em mãos, identificando problemas ou liberando para que comece a parte do carregamento.

Diárias de Transporte

São as taxas impostas pela Legislação, referentes aos atrasos das entregas de produtos, seja pelo embarcador ou destinatário. Nesse caso o motorista é remunerado pela sua permanência enquanto aguarda no local.

O tempo máximo para operações de carga e descarga hoje em dia tem uma tolerância de 5 horas a partir do momento em que o motorista chega no destino de coleta/descarga.

Distribuição física

A distribuição física está ligada à movimentação do produto, enquanto o canal de distribuição é a intermediação do produto.

A distribuição envolve as operações de transporte e entrega com o objetivo de alimentar os pontos de venda e outros canais, após o processo de produção.

Doca

Muito falamos aqui sobre as Docas quando o assunto é gestão de pátio e o uso dos YMS, mas você sabe o que é, afinal, uma doca?

Docas são os espaços físicos dentro de um pátio de cargas e descargas, reservados para o encaixe dos caminhões (com a caçamba virada para dentro da doca) da melhor forma possível para o motorista e para os operadores responsáveis pela operação que terá início ali.

Nos portos, é chamada de marina.

Dock Scheduling

É o Sistema de Agendamento voltado para docas. Nele, sua operação de carga e descarga é mais prática, eliminando filas de caminhões do lado de fora do pátio e dando uma visão mais assertiva em tempo real, para o gestor e responsáveis pelo gerenciamento das docas.

A Trackage possui o Trackage Agendamento, com esse mesmo propósito. Nele, as operações de carga e descarga se tornam algo prático de resolver e garante uma economia de tempo enorme entre as operações.

Drop size

É a quantidade que o fornecedor entrega para cada cliente, ou a quantidade total vendida dividida pelo número de entregas realizadas.

Para encontrar o Drop Size, de forma simplificada, nós temos que dividir o peso ou volume pela quantidade de entrega.

Distribution Requirements Planning – DRP

O DRP (ou em português, Planejamento de Distribuição) auxilia na distribuição de produtos de forma eficiente, facilitando a relação entre centros de distribuição e pontos de venda. 

A ferramenta tem o objetivo de facilitar o equilíbrio entre o consumo e a armazenagem, evitando rupturas, excessos de mercadorias e retirando a necessidade de fazer promoções para queimar estoques e com isso, reduzir sua margem.

Dumping

É quando empresas vendem um produto ou serviço por um valor extremamente abaixo do mercado, com objetivo de eliminar concorrentes e pegar uma fatia maior do mercado em que estão inseridos.

DSE

Sigla para Declaração Simplificada de Exportação.

Segundo o próprio site da Receita Federal:

Aos bens contidos em remessa postal internacional ou encomenda aérea internacional, até o limite de US$ 50.000, 00 (cinqüenta mil dólares dos Estados Unidos da América) ou o equivalente em outra moeda, será admitido o registro de DSE por solicitação, respectivamente, da ECT ou de empresa de transporte internacional expresso porta a porta (courier).

Basicamente, é um procedimento simples com o objetivo de facilitar a exportação para itens de até cinquenta mil dólares.

O documento deve ser preenchido antes do embarque da mercadoria e é necessário para o despacho aduaneiro no processo de exportação.


E

Efeito chicote

É quando existe uma diferença entre o que foi previsto e as reais demandas dos consumidores, gerando gargalos.

Fatores que contribuem para que isso aconteça:

  • Variações de preço: geralmente quando varejistas fazem muitas promoções e aplicam muitos descontos, essa informação deturpada causa um desequilíbrio na produção, já que gera um aumento de consumo durante um período de tempo específico que não reflete com precisão na rotina.
  • Produtos em excesso: outro fator que ocorre por conta dos varejistas que às vezes, com medo de que um produto fique escasso, fazem pedidos bem maiores do que o comum.

    Como resultado, tendem a não fazer novos pedidos por um período de tempo, enquanto a indústria acaba ficando com o excesso do que foi fabricado pela informação gerada com a última demanda.

Empilhadeira

Uma máquina usada para – como o nome sugere – empilhar paletes, transportar mercadorias de um ponto a outro dentro do espaço de armazenamento e auxiliar na organização dos produtos.

Existem diversos modelos, mas os mais comuns em centros de distribuição e galpões são as elétricas e de combustão a gás.

Para operar uma empilhadeira o operador deve obter a certificação NR-11.

ERP

Já falamos aqui no Blog com mais informações sobre o uso do ERP, caso queira conferir. Basicamente é um Sistema de Gestão Empresarial que centraliza todas as informações de todos os departamentos da empresa em um só lugar.

Essa integração entre várias áreas facilita a tomada de decisão e torna muito mais prático e rápido localizar dados necessários para aquele momento específico.

Isso deixa todo o fluxo logístico mais orgânico, fazendo com que tudo funcione em conjunto.

ESG

A sigla em inglês para Environmental, Social and Governance (traduzido a grosso modo como Meio ambiente, Social e Governança), são as práticas ambientais, sociais e de governança em uma corporação.

É tido como uma jornada de transformação dos negócios que envolve a construção de uma sociedade e um mundo mais inclusivo e ambientalmente sustentável, com o objetivo de garantir uma qualidade de vida melhor.

Depende das habilidades das empresas em criarem e desenvolverem práticas de negócios que não só façam lucro, mas também tenham transparência no cuidado ao meio ambiente.

Alinhado ao cuidado com o ambiente em que todos estamos inseridos, temos aqui no blog um artigo interessante sobre Logística Reversa, caso queira conferir.

Estocagem

Estoque, ou estocagem, é o serviço usado para guardar matérias-primas e produtos semiacabados ou até mesmo mercadorias prontas para o consumo. 

É comum e presente em diversas atividades, desde o varejo até a indústria.

Estoque

São as mercadorias e produtos, estejam prontos ou inacabados, que uma empresa possui armazenados em um determinado local. 

Também pode incluir materiais e suprimentos para a produção do seu produto, não se limitando apenas ao produto em si.

Estoque em trânsito

São os produtos adquiridos pela empresa, isto é, já comprados, mas que ainda estão em trânsito para serem entregues e armazenados na estocagem.

Mesmo que ainda não tenham chegado, já são considerados parte do estoque. Também conhecido como estoque de canal.

Expedição

Atividade do armazém que verifica se a mercadoria está com todos os requisitos aprovados para ser transportada em direção ao cliente final.

Nessa etapa, que é a última antes do embarque, são verificados documentos, pesagem, quantidade de volumes e calculados os custos de envio.


F

FEFO

Sigla para a expressão “First expire, first out”.

Traduzindo literalmente seria “O primeiro que expira, é o primeiro que sai”. Como o nome sugere, é um método de armazenagem que usa o tempo de validade e vencimento das matérias estocadas ali, como indicador para saber quais devem sair primeiro.

Não importa há quanto tempo os itens estão ali, sua movimentação será decidida de acordo com seu prazo de validade.

FIFO

Também utilizado como um método de organização, a sigla FIFO significa “First in, first out”.
Como dá pra ver, o primeiro a entrar é literalmente o primeiro a sair. Nesse sistema de organização forma-se uma fila onde a saída dos produtos depende da sua entrada, sendo os primeiros a entrar no estoque, os primeiros também na hora de serem expedidos.


G

Gargalo

Um gargalo é um ponto onde a linha de produção “trava”, fazendo com que as tarefas não aconteçam conforme o esperado. 

Ele impede a continuidade da produção, ou faz com que ela aconteça em uma velocidade muito baixa.

Gestão

Ou seja, é o ato de administrar ou gerir negócios, pessoas ou recursos, com o objetivo de alcançar metas definidas.

Gestão ou administração é algo que pode ser aplicado em qualquer área de atuação, desde a logística de pátio até a área financeira.

Gestão de Pátio

A gestão de pátio é a administração e o controle de tudo que envolve as atividades dentro de um pátio logístico.

As atividades de carga e descarga de mercadorias, a organização dos locais usados para armazenamento de materiais e até mesmo o transporte dos produtos estão ligados à gestão de pátio. 

Giro de estoque

Indicador usado para verificar o desempenho de um estoque na empresa. 

Indica também a qualidade dos produtos armazenados e a quantidade vendida dentro de um período de tempo. Os dados servem ainda para avaliar a saúde financeira do negócio. Isso pode ser feito de forma muito mais prática com o auxílio de um WMS.


H

Hand Helders

Os Hand Helders são coletores de dados portáteis, ou seja, aparelhos que rastreiam as informações contidas nas etiquetas das embalagens.

Depois de coletadas, as informações são enviadas para um computador central através de radiofrequência.

Hinterland

A Hinterland é a área que envolve desde o porto até o último ponto de entrega do produto fretado. 

Basicamente ela cobre da origem até o destino final do produto. Sua definição geográfica é também baseada em questões comerciais.

Boa parte dos produtos que entram tem sua definição baseada nos consumidores, enquanto os que saem são baseados nas zonas de produção.

Homens Hora

Também conhecido como Custo homens-hora, é uma unidade de medida utilizada na gestão de projetos

Seu objetivo é medir o tempo e o esforço para concluir determinadas tarefas, podendo ser aplicado tanto internamente quanto em times externos, mas não para por aí.

Calculando o custo homens-hora a empresa consegue ter uma métrica de produtividade e entender quais colaboradores são mais produtivos em algumas tarefas, possibilitando uma gestão de pessoal mais assertiva.

Como funciona o cálculo?

Para calcular o custo homem-hora, a empresa pega o valor mensal gasto com determinado funcionário incluindo salário, uniforme, despesas da função e todos os gastos que permitem que ele realize seu trabalho, e divide isso pelo número de horas trabalhadas no período de um mês.

Exemplo: supondo que um gestor de determinado setor custe ao todo R$ 10.000,00 para a empresa e trabalhe por 176 horas em um mês com 22 dias úteis, seu custo homem hora seria de R$ 56,80.

E a produtividade?

Para calcular a produtividade é usado o número de pessoas que realizam uma tarefa, dividido pelo tempo necessário para finalizá-la.

Homologação

É a autorização final para que certo produto ou serviço prestado possa ser comercializado.

Quando se homologa um produto, você está liberando – baseado em avaliações e critérios de conformidade – que esse produto venha ao público e garantindo confiança e proteção aos possíveis consumidores.

Lembrando que são diversos agentes reguladores que atuam no mercado, variando bastante de acordo com os produtos.

Por exemplo, no Brasil nós temos uma agência reguladora responsável pela parte de provedores de internet e telecomunicações. 

A Anatel estabelece de acordo com a Lei Geral de Telecomunicações (nº 9.472, de 16 de julho de 1997) que é proibida a utilização de equipamentos emissores de radiofrequência sem certificação expedida por ela.

Hub Logístico

Os Hubs logísticos são locais estratégicos montados para redistribuição de mercadorias.

Ficam localizados em pontos essenciais para a distribuição dos pedidos, como centros urbanos, visando agilizar as entregas.

Quais os tipos de Hubs logísticos?

CD

Os centros de distribuição também podem, em alguns casos, serem caracterizados como Hubs logísticos, funcionando como catalisadores para Hubs menores.

Lockers

Funcionam como mini hubs, com estruturas bem menores como armários, localizados estrategicamente em centros urbanos e tirando a necessidade de grandes estoques.

São basicamente postos avançados de distribuição de mercadorias encontrados em centros urbanos, uma característica inviável na maior parte das vezes para grandes CDs.

Transit Points

Parecido com os Lockers, o Transit Point também pode ser localizado em grandes centros urbanos, com a vantagem de que não tem todas aquelas etapas do processo de armazenagem, como picking, expedição, etc.

Isso ocorre porque as entregas que passam por ele já têm um destino pré-programado, ficando poucas horas no local.


I

Inventário Rotativo

É uma técnica para auditoria de acuracidade de inventário, onde são realizados ciclos (pode ser quinzenal, mensal, dependendo do produto e do valor) ao invés de ocorrer apenas uma vez ao ano.

Geralmente para produtos de alto valor e rápida movimentação ela é feita em janelas de tempo menores, enquanto para produtos de baixo valor e baixa movimentação, ocorrem em ciclos mais distantes.


J

Jidoka

Um termo muito utilizado na indústria com origem oriental. É uma prática que tem como objetivo garantir a qualidade dos produtos expedidos e entregues ao consumidor final.

São quatro os princípios desse método:

  • Descoberta de uma anormalidade
  • Parada do processo
  • Resolução do problema imediato
  • Investigação e correção da causa raiz

Ao adotar o método Jidoka, qualquer pessoa na operação pode imediatamente parar a linha de produção ao encontrar um problema que possa gerar defeitos nos produtos.

O método foi implementado pela primeira vez em 1896 por Sakichi Toyoda, inventor japonês que mais tarde seria o fundador da gigante Toyota.

JIT

Um sistema de inventário que dita o volume de produção de acordo com as demandas, evitando desperdícios no estoque.

A principal vantagem que na verdade reúne várias, é eliminar desperdícios

Quando dizemos várias, é porque não é só o desperdício de dinheiro e recursos que é eliminado, mas também o de tempo, mão de obra voltada para as operações de estoque e produção, a própria produção de mercadorias que não será feita além do necessário.


K

Kanban

Muito utilizado por times de produto, o Kanban é uma ferramenta de organização e gestão estratégica.

O visual do Kanban (ou sua dashboard, no caso das versões digitais replicadas em softwares) é caracterizado por post-its coloridos e divisões em colunas que permitem visualizar os trabalhos em andamento.

Geralmente o modelo de Kanban mais utilizado é dividido em três colunas:

  1. A fazer → indica as próximas tarefas que devem ser feitas no fluxo de trabalho.
  2. Fazendo → indica o que o time está fazendo neste momento.
  3. Feito → inclui as tarefas finalizadas.

Kitting

É a ação de reunir todos os componentes que farão parte do produto, em um pacote direcionado para a linha de produção ou montagem, para assim ser feito o pedido.

O processo de Kitting deve ser feito de forma antecipada para que não haja de forma alguma interrupções na linha de montagem. 

KPI (Key Performance Indicator)

Sigla para Key Performance Indicator (Indicadores chave de performance).

Indicadores de desempenho são métricas que nascem a partir de dados coletados e são usadas para medir a eficiência de diversos processos.

Alimentam uma base de dados que é utilizada pela gestão, tanto em níveis operacionais, quanto administrativos, sendo importante na tomada de decisões com mais precisão.


L

Last Mile

É a entrega de última milha

Consiste na última etapa de transporte e entrega de uma mercadoria até as mãos do cliente. É importante em vários segmentos, principalmente no e-commerce, já que implica diretamente no relacionamento com o cliente.

Embora pareça simples, é uma etapa delicada, pois são várias as situações que podem impactar diretamente a operação e o cumprimento dos prazos. 

A falta de motoristas, o trânsito travado, a chuva e o roubo de cargas são situações que podem atrapalhar esta etapa e, consequentemente, a experiência final do cliente.

LIFO

Assim como seus dois outros irmãos, LIFO também é um método de organização de estoque que se opõe diretamente ao FIFO.

Isso porque enquanto no FIFO os primeiros a entrarem são os primeiros a saírem, no LIFO essa lógica é diferente.

A sigla significa “Last in, first out”, ou seja, o último a entrar, será o último a sair. Isso abre oportunidade para poder armazenar por mais tempo produtos com validades maiores.

LMS – Learning Management System 

LMS ou Sistema de Gestão de Aprendizado é uma ferramenta utilizada por muitas empresas na área de recursos humanos, formação e educação continuada da sua força de trabalho.

Como várias inovações de tecnologia da informação nas últimas décadas, o Learning Management System é capaz de elevar a eficiência de sistemas de aprendizagem de uma organização.

Logística

A logística envolve muitas atividades, mas seu conceito se baseia em dois principais processos: 

  • armazenamento  
  • transporte de mercadorias.

Ela tem como objetivo garantir que matérias primas ou mercadorias sejam entregues do ponto de origem ao ponto final.

Dentro desses processos, temos várias atividades que contribuem para que o trabalho seja feito de maneira eficiente. 

No transporte, por exemplo, temos a documentação, carregamento dos veículos, entre outros. 

Já no armazenamento, temos o controle de estoque e as tecnologias usadas para isso. As notas de entrega que acompanham cada pedido, e vários outros que formam o processo.

Logística Inbound

Também conhecida como logística de abastecimento, ela tem como foco o planejamento e a gestão dos suprimentos, matérias-primas e mercadorias utilizadas para manter os recursos da empresa.

Garante que não falte materiais, controlando seu armazenamento e transporte. O responsável por essa área precisa manter uma relação próxima com os fornecedores, além de gerenciar o recebimento de cargas.

Logística Outbound

Logística de distribuição ou Outbound é a responsável pelo planejamento de entregas e saída de produtos para os centros de distribuição.

Nessa divisão, entram funções como a criação de rotas de entrega, rastreamento de entregas, contratação de motoristas e gestão de transportadoras.

A supervisão da carga e descarga além da reposição do estoque também entram aqui. 

LTL (Less-than-truckload)

É o modelo de carga fracionada. Nesse modelo de carga, as mercadorias de diversos embarcadores são acomodadas em um mesmo veículo, e dessa forma o frete é dividido entre todos.


M

Manifesto de Carga

Desde 2016, a Legislação determina que o documento de Manifesto de Carga é obrigatório nos transportes de mercadorias.

Ele reúne as principais informações de dois documentos importantes: o Conhecimento de Transporte eletrônico (CTe) e a Nota Fiscal eletrônica (NFe), sendo aplicado somente em ambiente digital, isto é, pela internet.


N

Nível de estoque

Dentro da gestão de estoque, o nível de estoque é tudo que uma empresa precisa armazenar para poder operar, independente se é mantido no seu mínimo ou máximo.

É preciso acompanhar os níveis de estoque para não perder o controle, e para isso é necessário conhecer os dois tipos.

Permanente: sempre que o limite mínimo do nível de estoque é atingido, deve-se prever uma reposição.

Periódico: aqui o estoque atende a demanda em quantidade mínima, até que uma próxima reposição seja realizada.

No Moving

Muito ligado à gestão de estoque, esse termo se refere aos produtos que têm uma saída bem irregular ou demanda pré-determinada de acordo com a época do ano (promoções por exemplo).
Geralmente são as mercadorias que superam os 30 dias para serem vendidas.


O

OMS

Sigla para Order Management System, ou em português: sistema de gestão de pedidos.

É um software presente em muitos ERPs que tem a função de gerir pedidos e vendas.

Muito utilizado hoje em dia no e-commerce, o OMS, assim como vários outros softwares de gestão dentro da logística, automatiza vários processos. Um deles, inclusive, é a logística reversa da empresa.

Algumas vantagens no uso da ferramenta:

  • processar os pedidos em diversos canais;
  • opção de “compra online/retirada na loja”;
  • rastrear itens e automatizar devoluções;
  • agendamento de entregas e serviços.

P

Pagamento antes da entrega

Também conhecido como CBD (Cash Before Delivery), é quando o comprador paga o preço do produto antes mesmo dele ter sido entregue.

É uma das maiores modalidades de venda conhecidas e utilizadas atualmente.
No CBD, o importador assume todos os riscos, como recusa do produto pelo cliente, problemas ocasionados por uma entrega problemática ou ainda a devolução por problemas no produto.

PCP

Sigla para Planejamento e Controle de Produção.

Com um sistema PCP, você pode programar operações de produção.

Um sistema PCP permite que você controle o tempo de fabricação, defina a quantidade de itens que precisam ser produzidos, assim como a ordem dos produtos para ser produzida e quais e quantas matérias primas serão utilizadas.


Q

QFD

Durante o processo de desenvolvimento de um produto, existem algumas ferramentas de qualidade que podem auxiliar. A QFD é uma delas, uma ferramenta voltada para a melhoria contínua.

Sigla para Quality Function Deployment (ou em português Desdobramento da Função de Qualidade), foi criado em 1966 no Japão, mas só ficou amplamente conhecido na década de 80, quando o método foi adotado pela Ford e pela Xerox.

A principal vantagem do QFD é traduzir a chamada “voz do cliente” na “voz do processo”. O QFD converte as demandas dos consumidores em características de qualidade, levando em conta os atributos de cada componente do projeto e das operações.

Quarteirizador Logístico

Derivado do conceito de terceirização, a quarteirização logística está diretamente ligada aos PSL (ou Prestadores de Serviços Logísticos).

Quando uma empresa terceiriza frotas de veículos, rotas, e outros serviços, ela precisa ter um controle desses agentes terceirizados.

É aí que entra a quarteirização logística, que pode ser um sistema, um funcionário ou uma empresa especializada.

A escolha vai depender do porte da empresa que necessita desse controle e do tamanho de suas operações.


R

Romeu e Julieta

Não é nenhum clássico da literatura e muito menos um doce de Minas Gerais. Acredite, estamos falando de um caminhão.

O Romeu e Julieta é um tipo de caminhão trucado simples que é composto por dois reboques.

Os reboques são conectados por um dolly (peça) aparafusado. 

Embora algumas pessoas confundam Romeu e Julieta com o Bitrem, existem algumas diferenças nas estruturas dos dois que servem para separá-los. 

A principal é que o Bitrem é formado por um cavalo mecânico e mais dois semirreboques, enquanto o Romeu e Julieta é um caminhão trucado com apenas um reboque.


S

Set Up

Dentro de uma linha de produção, é todo o trabalho necessário para mudar o maquinário, operador, recurso e tudo relacionado à última peça da produção A até o início da primeira peça da produção B.

SIL (Sistema de Informação Logística)

Mais uma ferramenta disponível para auxiliar os gestores logísticos. Ela interliga as atividades logísticas em um processo integrado (semelhante ao ERP).

Possui quatro níveis de funcionalidade:

  • Transação
  • Controle de gestão
  • Análise de decisão
  • Planeamento estratégico

Silo

Reservatório responsável pelo armazenamento de produtos agrícolas que não estão ensacados.

Sua construção, dimensão e formato varia de acordo com o que irá armazenar e às necessidades de cuidado com o produto específico.

Pode ser construído tanto acima, quanto abaixo do solo.


T

TMS

Podemos definir o TMS como o software de gestão e organização dos transportes, suprindo todas as necessidades associadas a eles.

Por isso, o sistema de gestão de transportes é fundamental para que a operação tenha êxito para trazer e levar cargas do ambiente interno da empresa para os pontos de distribuição e vice-versa.

Trackage

A Trackage é uma empresa de tecnologia voltada para a logística, dona do YMS que atende gigantes do setor como DHL e 3M, o Trackage Maestro.

O produto passou por vários testes dentro das operações da DHL, tendo como projeto piloto a operação da 3M.

Desde então, a Trackage alcançou inúmeros clientes dentro e fora do Brasil. 

Além da DHL, 3M, Coca Cola, Lego, ArcelorMittal, Whirlpool e Latam, outras 500 organizações utilizam a Trackage para otimizar suas operações de pátio (docas, portaria, agendamento, gestão de recursos, etc).


U

Umland

É todo o ambiente físico e os componentes de um porto.
Inclui infraestrutura como cais, espaço de atracação e profundidade; superestrutura como maquinários e armazéns e as tarifas e despesas geradas pelas operações do porto.


V

Valor Agregado

O valor agregado é aquele algo a mais que sua empresa oferece ao cliente.

Podendo ser desde brindes na compra de produtos, até serviços oferecidos gratuitamente, essa estratégia de venda tem como objetivo reforçar e fidelizar o cliente para garantir seu retorno.

Importante entendermos aqui que valor agregado são benefícios a mais do que aquilo que foi pago pelo cliente e não são necessariamente obrigatórios por parte da empresa.

Valor Contábil

O Conselho Federal de Contabilidade (CFC) define Valor Contábil como a quantia que um ativo é registrado na contabilidade da empresa.

Os ativos podem ser bens ou direitos que fazem parte do patrimônio da corporação.

Para calcular o valor contábil, primeiramente devemos saber quanto foi gasto em sua aquisição, para só então calcular a depreciação desse ativo com o passar do tempo.


W

WMS – Warehouse Management System 

O Sistema de Gerenciamento de Armazéns melhora a gestão e controle das tarefas a serem desempenhadas pela equipe, fazendo com que toda a operação seja melhor aproveitada, gerando mais economia de tempo e de recursos.

Nos sistemas mais atuais, ocorre uma grande flexibilidade. As empresas conseguem adaptá-los às suas mudanças de estoque, adotando um jeito próprio de gerenciá-lo.


Y

YMS -Yard Management System

Em português, YMS significa: Sistema de Gerenciamento de Pátio. Uma solução digital criada para empresas que precisam modernizar o monitoramento do setor logístico.

É utilizado por indústrias de diversos segmentos, por ser um modelo de gerenciamento que consegue se adaptar a diferentes setores e necessidades de mercado.Na prática, o YMS atua especificamente na gestão de pátio e dá ao gestor uma visão completa de toda a movimentação desde a chegada de um veículo na portaria (check in) até a sua liberação (checkout).


Z

Zona de Livre Comércio

É um acordo feito entre blocos econômicos compostos por países que querem a isenção de taxas de importação para determinados produtos.

Isso estimula o intercâmbio de produtos e ajuda no desenvolvimento de um bloco econômico.

Essa redução das taxas alfandegárias aumenta a margem de lucro das empresas. Com esse incentivo, as empresas produzem mais e consequentemente mais empreendimentos e postos de trabalho são gerados.


Este artigo é atualizado quinzenalmente para que você possa sempre se inteirar sobre os termos dessa área complexa e fascinante que é a logística.

Nos vemos em breve!

Posts Relacionados